sábado, 13 de setembro de 2014

DF: Viação Riacho Grande anuncia desligamento

Moradores de Planaltina podem enfrentar mais transtornos para ir e voltar do trabalho a partir de hoje. A Viação Riacho Grande, que atendia a seis mil usuários do Setor Arapoangas, deixou de operar na região. Dificuldades financeiras foram a justificativa.

O desligamento foi anunciado depois de horas de reunião entre representantes da empresa e DFTrans. Após a decisão, cerca de 40 ônibus que circulavam na região foram retirados.

Para tentar amenizar os efeitos da redução, o DFTrans concedeu o trecho para a empresa Piracicabana, que já opera no sistema de transporte público. A empresa se comprometeu a colocar para rodar a mesma quantidade de carros. Porém, a substituição deve ocorrer gradualmente, ocasionando uma espera de 30 dias para o serviço estar normalizado.

“Eles vão colocar dez ônibus hoje. O restante já está comprado. Falta o licenciamento e outras burocracias”, explicou o diretor-geral do DFTrans, Jair Tedeschi. “Pedimos desculpas aos usuários, mas não foi uma decisão nossa”, diz.

Funcionários

Outra preocupação demonstrada pelo DFTrans e Sindicato dos Rodoviários refere-se aos 120 funcionários da empresa descredenciada. “Vamos acompanhar o pagamento da rescisão deles e tentar empregá-los na nova empresa”, afirmou o presidente do sindicato, Jorge Farias.

Jair Tedeschi garantiu que a Piracicabana vai contratar os funcionários que forem desligados da Riacho Grande. Além de Planaltina, a viação também opera em Brazlândia, onde circulam 40 ônibus. “Vamos intensificar a fiscalização lá. Se ocorrer atraso de um minuto, a empresa também será retirada”, afirma Tedeschi.

Apesar da rescisão, a empresa não sofrerá qualquer punição legal porque entrou em caráter emergencial. Por telefone, um representante afirmou que não foi comunicado sobre a interrupção imediata.

Saiba mais

A Viação Riacho Grande começou a operar em Planaltina em 2012, em circunstâncias parecidas com as de agora. Na época, a empresa foi chamada em caráter emergencial devido a problemas financeiros da antiga empresa que circulava no Arapoangas, a Cooperativa dos Profissionais Autônomos de Transporte (Coopatram).

Cidadãos têm a palavra

Cerca de 30 cidadãos brasilienses vão fazer na próxima quarta-feira uma auditoria cívica do transporte coletivo do DF. Os auditores vão verificar a frequência dos ônibus que partem de 14 pontos da plataforma C da Rodoviária do Plano Piloto e fazer entrevistas com os usuários nas filas para saber o tempo gasto em média nas paradas e coletar opiniões sobre as condições de limpeza, segurança e lotação dos ônibus e das paradas.

Coordenada pelo auditor do TCU Carlos Ferraz, a auditoria irá verificar o cumprimento das regras previstas nos contratos de concessão, bem como se as condições de atendimento correspondem as expectativas dos usuários.

A auditoria cívica é um projeto em que cidadãos fiscalizam a aplicação de recursos públicos e a qualidade dos serviços, propondo melhorias e encaminhando eventuais irregularidades encontradas ao órgão auditado e aos órgãos de controle externo competentes.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

DF: Secretário de Transportes comenta a cobrança de passagem dos ônibus do Expresso DF

Por Rafael Martins com informações do BDDF

A cobrança pela passagem dos ônibus das linhas alimentadoras do Expresso DF, que passaria a valer a partir de domingo, foi suspensa. O Secretário de Transportes, José Walter Vazquez Filho, explicou em entrevista ao Bom Dia DF desta sexta-feira (12), que a autarquia estava preparando para iniciar a cobrança de passagem de forma gradativa no Expresso DF, a começar pelas linhas alimentadoras de Gama e Santa Maria que levam os passageiros dos diversos setores destas cidades para os terminais de integração do BRT.

Vazquez enfatizou que quando foi anunciado a cobrança nos alimentadores, alguns órgãos de imprensa noticiaram que a tarifação seria em todo o sistema do Expresso DF, ou seja, seria cobrada a passagem das linhas alimentadoras e troncais, o que resultou em uma enorme confusão dos usuários, gerando incertezas de como o sistema funcionaria.

O secretário explicou como será a tarifação no Expresso DF: A tarifa máxima a ser cobrada é de R$ 3,00. O passageiro ao passar o cartão nos ônibus das linhas alimentadoras, será cobrado R$ 2,00. Ao desembarcarem nos terminais do BRT, novamente o usuário passará pela catraca para acessar as linhas troncais, em que será tarifado R$ 1,00; completando assim os R$ 3,00. Ao chegar na Rodoviária do Plano Piloto, independente do destino, da linha e do valor tarifário que a mesma tenha, o usuário ao embarcar no terceiro ônibus, não haverá a cobrança tarifária, desde que seja respeitado o tempo da integração que é de 2h. Este é o princípio do sistema integrado de transportes.

Porém, o secretário ressalta que tal benefício vale somente para quem possui os cartões SBA. O cartão é único, não importa a categoria o qual o usuário esteja inserido, seja o Bilhete Único, Estudante, Vale-Transporte ou Cidadão. Quem pagar a passagem em dinheiro, não tem direito à integração. Ela é feita somente através dos cartões e da bilhetagem eletrônica temporal.

Vazquez explicou que irá debater com a comunidade, no sentido de esclarecer, como será a cobrança no Expresso DF e da concepção da rede integrada de transportes do Distrito Federal.

Sobre a operação branca bem como a remuneração para a Viação Pioneira, o secretário disse que como não há tarifação e consequentemente dados de passageiros transportados, o pagamento para a operadora do Expresso DF dar-se-á através dos cálculos da planilha feitos na licitação, em que reembolsa-se a empresa por custo/km. Vazquez finalizou informando que enquanto não houver uma ampla divulgação da informação e da importância dos cartões SBA para o funcionamento pleno do Expresso DF. Até o final do próximo mês, a cobrança da passagem estará suspensa.

Saiba mais


DF: Sem dinheiro, Riacho Grande deixa de operar

A Viação Riacho Grande, que atendia moradores das regiões de Brazlândia e Planaltina, no Distrito Federal, deixou de operar no sistema de transporte do DF nesta sexta-feira (12). Segundo o DFTrans, a empresa alegou dificuldades financeiras.

O G1 tentou contato com a Riacho Grande, mas não conseguiu contato até a publicação desta reportagem.

A companhia atuava com 40 ônibus em Brazlândia e outros 40 ônibus em Planaltina e já havia diminuído a frota na quinta-feira (11), passando a operar apenas em Brazlândia. De acordo com o DFTrans, o proprietário da empresa diz que tem dívidas de R$ 1 milhão com recursos humanos.

O diretor geral do DFTrans, Jair Tedeschi, afirmou que a empresa Piracicabana, que venceu a licitação na bacia 1 (que inclui o bairro do Arapoanga, em Planaltina), colocou mais veículos para atender a região nesta sexta. A São José, responsável pela bacia 5 (que atende Brazlândia) também deve aumentar a frota para diminuir o prejuízo aos passageiros.

A Riacho Grande já iria deixar de operar em outubro. “Que me perdoe o usuário, mas a Piracicabana está fazendo um esforço para atender, está providenciando novos ônibus, que já iriam rodar no início de outubro. Precisamos de 30 dias para normalizar a situação”, disse Tedeschi.

Segundo o Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal, a categoria negocia com a direção da Riacho Grande o pagamento dos salários dos funcionários, que deveria ter sido feito na última quarta-feira (10). O órgão afirmou que a empresa propôs pagar 50% do valor para cada trabalhador, o que foi rejeitado.

Os funcionários estavam nas garagens da empresa, em Brazlândia e em Planaltina, na manhã desta sexta. Uma nova reunião com a companhia deve acontecer durante a tarde.

Em julho último, rodoviários da Riacho Grande e da cooperativa de transporte Cootarde fizeram uma paralisação por falta de salários. O pagamento foi feito no mesmo dia e os trabalhadores voltaram ao serviço no dia seguinte.

Fonte: G1 DF

DF: Postos do DFTrans atendem em novo horário

Os postos do Sistema de Bilhetagem Automática do Transporte Urbano do Distrito Federal (SBA/DFTrans) deixarão de funcionar aos sábados, a partir do dia 13 deste mês. A medida, que será temporária, foi tomada a fim de fazer manutenção para aperfeiçoar o sistema e proporcionar um melhor serviço aos usuários.

Para suprir a demanda dos sábados, o horário de atendimento das unidades será ampliado durante a semana. Os postos funcionarão de segunda a quinta das 8h às 18h. Às sextas, o horário permanece o mesmo: das 8h às 17h.

Nas agências SBA/DFTrans, os usuários podem, entre outros serviços, fazer o cadastro no Passe Livre Estudantil, recarregar o Cartão Cidadão, além de obter informações sobre os demais benefícios, como o Vale-Transporte.

Novos horários de funcionamento dos postos SBA/DFTrans

De segunda a quinta: das 8h às 18h

Sextas: das 8h às 17h

Sábados: não haverá expediente

Fonte: Agência Brasília

Goiânia: Extensão do Eixo gera bate-boca na CDTC

A intenção do governo estadual de colocar em operação ainda este mês a extensão do Eixo Anhanguera a Trindade, Goianira e Senador Canedo provocou bate-boca ontem em reunião da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC). O secretário estadual das Cidades, João Balestra (PP), e o prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira (PDT), trocaram insultos e acusações de interesses eleitorais na discussão do projeto.

O bate-boca começou depois de Misael acusar o governo de “estelionato eleitoral” e de querer operar a extensão “a toque de caixa”. Balestra reagiu, acusou o prefeito de não ter participado de reuniões anteriores e o embate ficou mais duro. O secretário chegou a se levantar da cadeira e a reunião foi suspensa pelo presidente da CDTC, o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT).

Prometida desde a campanha eleitoral de 2006, a extensão do Eixo não recebeu obras e intervenções propostas, mas o governo estadual defende que é possível colocar em funcionamento os 40 ônibus adquiridos pela Metrobus. Segundo informações da estatal, o projeto original prevê construção de quatro terminais e quatro estações de conexão, requalificação de 150 pontos de parada de ônibus e sinalização nas vias.

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), responsável pela avaliação da proposta de operação, apontou ontem uma série de problemas técnicos. Após os questionamentos, Misael iniciou as críticas.

O prefeito reclama de falta de estrutura e segurança para os usuários, da proposta de extinção de duas linhas no município (que chegam ao Conjunto Valéria Perillo e à Vila Galvão) e ainda da ideia de tarifa zero nas linhas alimentadoras, sem esclarecimentos sobre quem vai financiar o sistema. “A reunião era para discutir o projeto, mas chegaram lá com tudo pronto e acabado para pedir a liberação da linha. Não ouviram ninguém. Isso pode provocar um transtorno violento à população”, diz Misael.

“Disse e reafirmo que querem fazer a toque de caixa por uma questão eleitoral. Passaram 20 anos prometendo, nada saiu e agora querem fazer correndo. Isto é falta de responsabilidade”, ataca Misael, que é aliado do candidato ao governo do PSB e ex-prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso.

O requerimento apresentado pela Metrobus à CMTC já inclui um folheto explicativo para a população de Senador Canedo, com anúncio de operação a partir do dia 20 de setembro. Embora não tenha ainda estrutura, a circulação estende o benefício de passagem a R$ 1,40 para os usuários dos três municípios, com subsídio do governo estadual.

Questionado pelo POPULAR sobre as condições para a operação da extensão, João Balestra respondeu: “Não estamos na Suíça. Não está tudo pronto e perfeito, mas nada impede que os ônibus circulem. Questões técnicas podem ser deixadas de lado para priorizar os benefícios ao povo”.

O secretário acusa o prefeito de Senador Canedo de querer impedir a operação por interesses eleitorais. “Por isso que o Brasil está desse jeito. Quem é prejudicado é o usuário. É justo que esses ônibus fiquem parados por interesses político-eleitorais? Isso é criminoso”, reclama, ressaltando tratar-se da “tão sonhada” extensão do Eixo.

O secretário afirma que paradas de ônibus, coberturas de pontos e faixas de pedestre são questões secundárias. “Se estivéssemos no primeiro mundo poderíamos estar falando de tudo isso. São apenas detalhes, que estão sendo utilizados para picuinha, como desculpa.”

A CDTC agendou para a próxima terça-feira a reunião para deliberar sobre o pedido de operação da linha. O prefeito Paulo Garcia disse que a Metrobus se comprometeu a encaminhar documentos para avaliação e evitou falar do bate-boca. “As reuniões na CDTC são sempre bem tensas”, disse.

Fonte: O Popular

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

DF: DFTrans suspende cobrança de tarifa das linhas do Expresso DF

Poucas horas depois do anúncio de que a passagem das linhas que alimentam o Expresso DF Sul - ônibus que levam o passageiro até o terminal do BRT - seria cobrada a partir deste domingo (14/9), o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) decidiu adiar a data.

De acordo com o próprio DFTrans, a primeira informação confundiu a maioria dos usuários do transporte, que entenderam que todas as linhas passariam a ser pagar na próxima semana e não apenas as alimentadoras. Por esse motivo, será feito um trabalho de divulgação mais ostensivo.

O DFTrans não soube informar a nova data para a cobrança da tarifa, mas garantiu que a população será informada com antecedência.

Fonte: Correio Braziliense

DF: Rodoviários de Brazlândia fazem paralisação por atraso no salário há meses

Os funcionários da empresa Riacho Grande fizeram uma paralisação, na manhã desta quinta-feira (11/9), em Brazlândia. A empresa faz o trajeto da cidade até o Plano Piloto.

Os trabalhadores afirmam que nunca receberam os salário no dia combinado, desde que a empresa assumiu a linha, há dez meses.

A linha da Riacho Grande é a única que liga Brazlândia ao Plano Piloto. Cerca de 50 ônibus ficaram parados na rodoviária da cidade.

Fonte: Correio Braziliense