segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

DF: Em protesto por ônibus, passageiros de Brazlândia fecham saída da Rodoviária do Plano

Moradores de Brazlândia, no Distrito Federal, fecharam a saída da Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília, no início da noite desta segunda-feira (26) em protesto contra a falta de ônibus. O ato teve início às 19h. Os manifestantes afirmam que só vão liberar a passagem quando chegarem os coletivos.

Durante o protesto, a Polícia Militar fez um desvio para que ônibus pudessem deixar o local mesmo com o bloqueio dos moradores. Segundo os participantes, não há ônibus suficientes para atender a demanda.

"Se a gente ficar quietinho ali na fila, eles não vão fazer nada. Toda vez que faltar ônibus vamos fechar a via", disse uma passageira. "Eles disseram que iriam mandar cinco ônibus de cada empresa, mas só quatro vieram na última hora. Alguns deles rodam o Plano Piloto inteiro."

Às 20h35, parte do grupo conseguiu embarcar e desobstruiu a entrada da rodoviária. Moradores da área rural de Brazlândia continuaram no terminal. O protesto teve fim por volta das 21h.

"Quem mora no Incra 8, Incra 9, os ônibus passam batidos de tão cheios", afirma o segurança Emerson Miclos. "Com a Alternativa, tinha horário bagunçado, mas tinha."

Segundo os manifestantes, havia um acordo para que a Viação São José enviasse cinco ônibus para suprir paralisação da cooperativa de micro-ônibus Alternativa, mas os veículos não foram mandados. Os rodoviários da cooperativa estão em greve desde o dia 7 por atrasos nos salários de novembro e dezembro e no 13º.

"Fui no guichê do DFTrans, mas só tinha um guarda. Eles fecham às 18h. A gente precisa de informação concreta deles, com horários certinhos, diz Miclos. "O que adianta publicar no Diário Oficial se não cumpre?Se tivesse cumprido, não tinha esse tanto de gente aqui."

Segundo o segurança, quando a Riacho Grande fazia a linha, os ônibus saíam vazios. "Depois tiraram, colocaram a Alternativa, que não cumpria horário e quebrava, e no dia seguinte não tinha ônibus", diz.

Na última quarta-feira (21), eles fecharam o acesso do terminal e as seis faixas do Eixo Monumental, no sentido Torre da TV. Na ocasião, o protesto contou com cerca de 100 pessoas, segundo a PM. Nesta segunda, o número de participantes é de 60 pessoas.

Com a paralisação, 40 ônibus e 140 trabalhadores estão sem rodar. A Alternativa afirma que não tem dinheiro.

Fonte: G1 DF

Goiânia: Protesto contra falta de ônibus interdita GO-040



Fonte: TV Serra Dourada

DF: Metrô-DF apresenta nova diretoria

O presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, apresentou oficialmente na manhã desta sexta-feira (23), a nova direção da Companhia. As quatro diretorias da empresa foram ocupadas por mulheres. E, pela primeira vez, uma servidora de carreira da Casa ascendeu ao posto de diretora. Foi o caso de Daniela Diniz, que assumiu a Diretoria Técnica. As outras pastas ficaram sob a responsabilidade de Glória Beatriz Gama (Diretoria de Administração), Rita de Cássia Leal (Diretoria Financeira e Comercial) e Sandra Pontes (Diretoria de Operação e Manutenção).

A solenidade, que deu posse à diretora de operação e manutenção – as outras já haviam tomado posse – contou com a presença dos secretários de Infraestrutura, Júlio Cézar Peres, e de Mobilidade, Carlos Henrique Rubens Tomé Silva.

Antes de iniciar a apresentação, Marcelo Dourado presenteou os secretários de estado com a camisa do Metrô-DF e ambos fizeram questão de vestir, literalmente, a camisa antes de falar com o público presente.

O secretário de Infraestrutura, Júlio Cézar Peres, garantiu que a Secretaria estará presente em tudo o que o Metrô-DF precisar. Enquanto o secretário de Mobilidade, Carlos Tomé, ressaltou que o Metrô-DF é parte importante dos planos de mobilidade de Brasília.

"Todos os compromissos assumidos ao longo da campanha pelo governador Rollemberg serão cumpridos. E a mobilidade é parte importantíssima nesse processo", afirmou Tomé. "Essa é uma das premissas do Plano de Governo, dar ao trabalhador o direito de ir e vir com rapidez e segurança", completou o secretário de Mobilidade.

A diretora de administração, Glória Beatriz Gama, afirmou ser um prazer fazer parte de uma diretoria formada por mulheres e garantiu que, em breve, fará um tour pelos departamentos da empresa para conhecer todos os empregados.

Rita de Cássia, diretora financeira e comercial, falou em nome das demais diretorias. Ela lembrou que o sonho de qualquer gestor é chegar a um lugar com funcionários dedicados, profissionalizados, e escolhidos por critérios sérios de seleção.

"A razão principal de uma crise está na cabeça e não no corpo. Cabe à diretoria, estabelecer diretrizes e métodos para que, no futuro, a empresa seja entregue com uma estrutura fortalecida para melhor atender à população", afirmou Rita de Cássia.

Fonte: Metrô-DF

DF: Metrô registra nova falha em motor de vagão nesta segunda

Uma falha no motor de um dos vagões do Metrô do Distrito Federal levou à paralisação do serviço na manhã desta segunda-feira (26). Segundo o órgão, o problema durou cinco minutos e não havia passageiros na composição afetada.

O vagão com problemas estava na estação Arniqueiras, em Águas Claras, e foi rebocado. Pelas redes sociais, passageiros reclamaram de atrasos na saída dos trens. Por volta das 7h40, de acordo com o Metrô, o funcionamento já havia sido normalizado.

Problemas

Na última quinta-feira (22), o sistema de trens registrou uma série de problemas elétricos, que levaram a um princípio de incêndio e a explosões em três veículos da rede. Passageiros e moradores de prédios próximos à linha registraram, em vídeo, os clarões e o desespero de quem estava nos carros atingidos

Segundo levantamento do GDF, os acidentes foram causados por falta de manutenção e de renovação dos equipamentos. A partir desta análise, o governo anunciou que vai renovar os contratos de manutenção e licitar 10 novos trens até o fim deste semestre.

A verba para a licitação consta no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, e não envolve dinheiro do Tesouro local. Segundo o Metrô, a concorrência tem investimento previsto de R$ 220 milhões, vindos do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica Federal.

O Metrô anunciou, ainda, a criação de um "núcleo de antecipação de crise", sem detalhar como será composta a nova equipe e se novos servidores serão contratados. Nesta sexta (23), segundo a companhia, o sistema apresentou funcionamento normal.

Fonte: G1 DF

DF: Créditos do vale-transporte são liberados

O Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) anunciou que começaram a ser creditados os valores atrasados do vale-transporte de parte dos trabalhadores terceirizados do Governo do Distrito Federal. Estavam prejudicados os funcionários das empresas que haviam pago o benefício por meio de boletos, entre os dias 17 de dezembro e 6 de janeiro.

De acordo com o DFTrans, a Transdata, que opera o sistema de repasse do benefício, recebeu parte do pagamento que lhe era devido. O governo negocia o passivo da gestão anterior, mas, como a negociação está em andamento, não há porcentagem definida de quanto foi liberado.

Desde a última quinta-feira (22), técnicos da empresa e do DFTrans fazem um trabalho conjunto para solucionar o impasse o mais rapidamente possível. Os créditos do vale-transporte, de acordo com a regra de tarifa, não expiram. O montante debitado na catraca é sempre o mais antigo. Dessa forma, os valores, quando disponíveis, estarão liberados para utilização a qualquer tempo.

Fonte: Jornal Alô Brasília

DF: BR-040 terá interdição sobre o viaduto de Santa Maria, para obras

O trecho da BR-040 sobre o viaduto de Santa Maria será interditado nesta manhã de segunda-feira (26/1). Segundo a Via 040, concessionária que administra a rodovia, serão realizadas obras de melhorias no quilômetro 3, sentido Brasília.

A previsão é de que a pista fique totalmente fechada das 9h às 14h. O trânsito para quem segue em direção ao Plano Piloto será desviado para a via marginal, paralela ao viaduto, que possui duas faixas. A dica é evitar trafegar por lá neste horário.

De acordo com a Via 040, todo o trecho do desvio estará sinalizado de forma a orientar os usuários e garantir a segurança no tráfego. Equipes de apoio acompanharão as atividades durante todo o período.

Os motoristas que precisarem trafegar pela rodovia devem se programar com antecedência, para fugir de congestionamento. A concessionária avisa que, caso seja necessário apoio emergencial, socorro médico ou mecânico, o usuário pode solicitar atendimento pelo telefone 0800 040 0040. Outras intervenções estão previstas para a próxima semana.

Fonte: Correio Braziliense

DF: Licitação ganha novos rumos na Justiça Federal

Por Rafael Martins

Alvo de polêmicas e denúncias ao longo de 2013; os indícios de fraude no certame caíram no esquecimento do brasiliense, que viu nas sucessivas greves ao longo de 2014 o seu maior calvário. Porém, em decisão publicada na última quinta-feira (22) mudou os rumos do processo.

O Juiz Federal, Francisco Alexandre Ribeiro, determinou a exclusão do o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID da presente relação processual, e, em consequência, remeteu o processo à 1ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, onde tramitam várias outras ações que lhes são conexas.

Entenda o caso

A presença do BID nos autos do processo deu-se após denúncias da deputada distrital, Celina Leão, em CPI realizada na Câmara Municipal de Curitiba em 2013, que investigava o processo licitatório feito na capital paranaense, que fora alvo de suspeita de diversas irregularidades.

Na época segundo Celina, o secretário de Transportes do Distrito Federal, José Walter Vasquez, disse que Reck era contratado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para prestar consultoria no processo de escolha das empresas de transporte. “Mas estou com documento do BID alegando que ele não é consultor da instituição. Qual é o objetivo deste advogado prestando consultoria ao governo? Filantropia?”, questionou Celina. 

Ela afirmou que a última licitação do transporte público de Brasília foi fraudada. De acordo com a parlamentar, Reck foi consultor do edital e é advogado de um grupo que venceu o concurso no Distrito Federal. “Ou seja, tinha informações privilegiadas. Tivemos envelopes que não foram abertos, inclusive com valores menores do que as concorrentes que venceram. Tínhamos empresas que propuseram tarifa a R$ 2,10 e a maioria das empresas ganhou com tarifa a 2,80”.

Resposta às acusações na CPI

Sacha Reck respondeu às acusações dizendo que sua família trabalha pelo transporte coletivo há muitos anos em Curitiba e colocou seu patrimônio à disposição para investigação. “Acompanho o transporte coletivo desde os cinco anos de idade. Meu pai foi diretor técnico da Urbs no governo Requião. Se existia alguém mais odiado pelas empresas do transporte era meu pai, que teve uma administração muito rígida. Não há nada que desabone a figura do meu pai, da minha família”, alegou.

Ele afirma que as acusações contra ele partem somente do secretário do DF. “Todas as afirmações feitas pela Celina partiram do secretário José Walter Vasquez. Ela não perguntou nada para mim. Mas eu não tenho nada a esconder”. Ele negou que tenha contrato com o BID. “Eu nunca falei que fui contratado pelo BID. Com relação ao meu contrato com o Distrito Federal, não tenho nenhuma dúvida, de qualquer irregularidade sobre este contrato”. Reck explicou que assessorou o Distrito Federal por meio de um contrato pago pelo BID, para prestar assessoria na licitação.

De acordo com o jornal curitibano Gazeta do Povo, a Logitrans, em um consórcio com a Logit, venceu uma licitação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para assessorar a Secretaria de Transportes do Distrito Federal na elaboração da licitação do sistema de ônibus local. Na ocasião, Sacha Reck atuou como advogado do consórcio. A investigação do MP quis verificar se houve direcionamento na licitação para alguma das empresas vencedoras – duas delas seriam ligadas aos grupos Constantino – Viação Piracicabana – e Gulin – Viação Marechal, que atua também em Curitiba –, detentores de muitas empresas do setor em São Paulo e Paraná.

“As famílias Constantino e Gulin são grandes e possuem vários grupos empresariais autônomos. A coincidência de sobrenome entre sócios não significa que exista apenas um grupo econômico. Não tenho e nunca tive contrato com o grupo societário da empresa Viação Marechal, de Curitiba, e nunca prestei assessoria a qualquer empresa do Grupo da Viação Piracicabana, que concorreu em Brasília”, disse Sacha Reck ao jornal.

Decisão da Justiça Federal

Na decisão desta quinta-feira (22); o juiz enfatizou que os documentos de fls. 119/172 demonstram que a participação do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID se circunscreveu ao apoio financeiro à implementação do Programa de Transporte Urbano do Distrito Federal, não havendo qualquer indício da atuação desse ente no processo de licitação promovida pelo Distrito Federal, visando à concessão do serviço público de transporte coletivo urbano de passageiros.

"Não há, desse modo, relação jurídica de direito material entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID e os demais integrantes do pólo passivo da demanda [DISTRITO FEDERAL, VIAÇÃO PIRACICABANA LTDA, VIAÇÃO PIONEIRA LTDA, HP TRANSPORTES COLETIVOS LTDA, AUTO VIAÇÃO MARECHAL LTDA e EXPRESSO SÃO JOSÉ LTDA], a justificar a presença desse ente internacional na lide.", informou o juiz nos autos.

O processo, que pede a suspensão dos contratos das cinco empresas com o GDF, agora retorna à 1ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, onde tramitam várias outras ações que lhes são conexas.